Notícias

2017-02-10

Confira como foi o simpósio da BU IPG da LANXESS, em Las Vegas!

Confira como foi o simpósio da BU IPG da LANXESS, em Las Vegas!

Cologne -

Um grupo com mais de 100 participantes, incluindo clientes, parceiros de vendas, associações do setor e da mídia, reuniu-se em Las Vegas para participar da discussão. Os tópicos do programa incluíram um olhar sobre as perspectivas macroeconômicas globais, dinâmicas de mudança de fabricação, tendências tecnológicas impulsionadas pela inovação, o papel da química em padrões de construção ecológica e o gerenciamento de cadeia de suprimentos.

 

Este foi o terceiro Simpósio de Pigmentos organizado pela, após duas edições bem sucedidas na China em 2013 e 2015. Junto com o crescimento enfraquecido, mas sustentado na Ásia, o mercado norte-americano de pigmentos está vendo ganhos substanciais, se tornando um mercado-chave para LANXESS.

 

Na cerimônia de abertura, o líder global da unidade de negócios de Pigmentos inorgânicos, Joerg Hellwig, observou que a recuperação econômica levou a um aumento na demanda global de pigmentos de óxido de ferro. Além disso, a tendência de consolidação no mercado chinês, aumenta ainda mais o risco de escassez de mercado para o óxido de ferro. A LANXESS reagiu a isso com sua nova planta de pigmentos de última geração em Ningbo, na China, desenvolvida especificamente para fornecer uma produção de pigmentos sustentável para atender às demandas do mercado global. Hellwig enfatizou a importância de realizar este simpósio para fornecer uma plataforma de conexão para construir parcerias de confiança e fazer progressos para enfrentar os desafios globais.

 

Dr. Chad Moutray da National Association of Manufacturers demonstrou uma visão geral sobre as perspectivas e dinâmicas de fabricação, de um ponto de vista macroeconômico, observando que os EUA continua sendo um lugar atraente para os negócios, especialmente na química.

 

O evento apresentou uma sessão interativa sobre cada um dos principais mercados de pigmentos inorgânicos: construção, plásticos, tintas e revestimentos. Nesta sessão, cinco palestrantes (Dr. Ryan Dirkx, ARKEMA, Mark Bruner, consultor da indústria, Stuart Lipskin, BYK EUA, Dr. Antonio Blasco, Esmalglass-Itaca Grupo e Dr. Brij Mohal, Chromaflo Technologies) compartilharam suas perspectivas e experiências sobre tecnologias que impulsionam a inovação.

 

Em uma apresentação sobre Green Building Standards, Deborah Phillips da American Chemistry Council, falou sobre o papel fundamental que a química desempenha na construção ecológica, apesar da percepção, muitas vezes contraditória, dos produtos químicos. Ela observou como o interesse do consumidor pelos materiais está mudando, sendo voltado para saúde e bem-estar, o que pode ser um desafio para a ciência. "O que vai ser crítico para a indústria química é a necessidade de avançar na capacidade de fazer avaliações de riscos e facilitar abordagens baseadas na ciência ". 

 

O tema de “Colaboração e parceria para inovar” foi abordado por Steve Kooy da SCS Global Services, em sua apresentação sobre “Tendências de construção ecológica”. Ele observou que a construção ecológica já é globalmente adotada, com forte crescimento nos países em desenvolvimento, impulsionado pela demanda dos clientes, regulamentos ambientais e pela sociedade. Dr. Daniel Pedersen, da Green Seal, reforçou o tema em sua apresentação sobre o “Engajamento da cadeia de suprimentos”, enfatizando a importância da sustentabilidade. "Para passar de uma cadeia de suprimentos a uma cadeia de valor, a chave está nas relações pessoais ao longo da cadeia de valor, envolvendo todas as partes interessadas em uma parceria para o desenvolvimento sustentável ", relatou Daniel.

 

Ao discutir o processo de aquisição estratégica de sua empresa, Todd Brogan, da Oldcastle Architectural, enfatizou que a qualidade e a confiança são fatores-chave na decisão de compra, e que sacrificar uma dessas coisas pode sair caro. "O que faz o relacionamentos com os fornecedores são as pessoas", concluiu.

 

Como conclusão, Joerg Hellwig resumiu o tema do dia: "No final, trata-se de pessoas que compram de pessoas, e, portanto, a confiança é a coisa mais importante. Somos responsáveis por todas as partes interessadas nesta cadeia de valor conectada. Acredito que ter esses eventos e reunir as pessoas é a coisa certa a fazer, e vamos continuar a fazendo. "

 

Como os dois últimos eventos, em 2013 e 2015, o simpósio deste ano teve as características de um intercâmbio científico, dando aos participantes a oportunidade de conversar com especialistas da indústria e colegas especializados em várias áreas. "A resposta muito positiva que recebemos dos participantes e palestrantes nos encoraja a continuar realizando este evento regularmente", disse Hellwig.